Que não perdamos a capacidade de ajudar os outros mesmo quando eles não possam ver e mesmo que não possam nos dar em troca sua gratidão.



SEJAM BEM VINDOS


ENTRE E SINTA-SE A VONTADE.

Aqui neste cantinho voce encontrará palavras de fé, de amor de estímulo e de paz.
O nosso objetivo é o de levar até voce os ensinamentos do Cristo, de forma simples, mas enriquecedora ao seu bem estar.
Que o amor, a bondade e a misericória divina ilumine a todos.
Muita luz e paz em nossos corações.

Beijos fraternos.
Dilemar Neto.

AVE MARIA NO VIOLINO. OUÇA ENQUANTO LÊ AS MENSAGENS.

sábado, 21 de junho de 2014

RADIAÇÕES OU VIBRAÇÕES


RADIAÇÕES  OU  VIBRAÇÕES
O que são?

Radiação ou vibração (em linguagem espírita) é o ato de emitir e direcionar energias, usando para isso o pensamento e o sentimento. É também conhecido como passe a distância.

Para que servem?

Com essas radiações, podemos influir sobre pessoas e ambientes, beneficiando-os. E também nos beneficiando, porque quem abre o pensamento e o coração para doar, imediatamente:
-          renova, também, o seu próprio ser (pensamentos, sentimentos e fluidos); e
-          torna-se canal e zona atrativa para forças benéficas ("é dando que se recebe").

Sua eficiência e alcance

A eficiência das radiações depende da capacidade de amar e sentir, bem como da vontade de sentir energias e dirigir o pensamento.
Somente pode dar alguma coisa boa aquele que possui. Os bons sentimentos, os bons pensamentos, os bons atos vão plasmando na "atmosfera espiritual" da pessoa uma tonalidade vibratória e uma quantidade de fluidos agradáveis e salutares que poderão ser mobilizados, através da vontade dirigida.
Para obtermos elementos fluídicos de boa qualidade para transmitir aos necessitados precisamos: estar bem de saúde (não debilitado) e em equilíbrio espiritual; frugalidade na alimentação, abster-se dos vícios (álcool, fumo, etc.); evitar a má conversação; dominar os sentimentos passionais e instintivos; procurar comportamento cristão. 
De início, somente conseguimos emitir radiações ao nosso redor. Mas com boa vontade e perseverança, poderemos exercitar essa capacidade e atingir distâncias maiores.

Como realizá-las?

1)      concentrar-se; isto é, desligar os sentidos do ambiente externo, orientar a mente para o mundo íntimo e fixar o pensamento num ponto superior de interesse;
2)      orar para obter assistência dos bons espíritos;
3)      focalizar com o pensamento o objeto de sua irradiação (pessoa, coletividade, local);
4)      pela vontade, procurar emitir o que deseja transmitir (saúde, paz, conforto, coragem, equilíbrio, calma, etc.).

A vibração coletiva

As radiações podem ser feitas por um grupo de pessoas. Então, são mais fortes porque representam a soma das energias de todos que estão participando.
Nas radiações coletivas, se cada participante ficar egoisticamente interessado em vibrar só para si mesmo ou os seus, não haverá doação verdadeira de ninguém e, consequentemente, ninguém terá o que receber.
Mas, se todos doarem fluidos, generosa e desinteressadamente, os bons espíritos terão condições de trabalhar com esses fluidos, combinando-os e redistribuindo-os entre os presentes e outras pessoas (encarnadas ou não).
Dessa forma, cada um dará o que pode e todos receberão o que mais precisam, dentro dos recursos fluídicos existentes.

Sua direção

Nas radiações coletivas, alguém precisa usar a palavra para ir conduzindo o pensamento e sentimento de todos, a fim de se unirem e agirem a um tempo só e para um mesmo fim.
Quem dirige a vibração deve falar:
-          em tom de voz que seja alto apenas o suficiente para todos poderem escutar;
-          com clareza e objetividade, para que todos entendam sobre o que se vai vibrar;
-          pouco, só o necessário para lhes orientar o pensamento e o sentimento;
-          com sincera emoção, para estimular o sentimento em quem ouve.
Após dizer o objetivo de cada vibração, deve deixar alguns instantes de silêncio, durante os quais todos ficarão vibrando no sentido indicado. A duração de cada vibração dependerá da capacidade de concentração e emissão dos participantes, variando ao redor de 20 segundos.


Fonte:

sábado, 14 de junho de 2014


PRECE DE ANDRÉ LUIZ
(Em reunião no Plano Espiritual)

Senhor Jesus,

Dá-nos o poder de operar a própria conversão,
Para que teu Reino de Amor seja irradiado
Do centro de nós mesmos!..
Contigo em nós,
Converteremos
A treva em claridade,
A dor em alegria,
O ódio e amor,
A descrença em fé viva,
A dúvida em certeza,
A maldade em bondade,
A ignorância em compreensão e sabedoria,
A dureza em ternura,
A fraqueza em força,
O egoísmo em cântico fraterno,
O orgulho em humildade,
O torvo mal em infinito bem!
Sabemos, Senhor,
Que de nós mesmos,
Somente possuímos a inferioridade
De que nos devemos desvencilhar...
Mas, unidos a Ti,
Somos galhos frutíferos
Na árvore dos séculos
Que as tempestades da experiência jamais deceparão!...
Assim, pois, Mestre Amoroso,
Digna-te amparar-nos
A fim de que nos elevemos
Ao encontro de tuas mãos sábias e compassivas,

Que nos erguerão da inutilidade
Para o serviço da Cooperação Divina,
Agora e para sempre. Assim Seja!...

ORANDO CADA DIA.

Senhor!...
Faze-me perceber que o trabalho do bem me aguarda em toda parte.
Não me consintas perder tempo, através de indagações inúteis.
Lembra-me, por misericórdia, que estou no caminho da evolução, com os meus semelhantes, não para consertá-los e sim para atender à minha própria melhoria.
Induze-me a respeitar os direitos alheios a fim de que os meus sejam preservados.

Dá-me consciência do lugar que me compete, para que não esteja a exigir da vida aquilo que não me pertence.
Não me permitas sonhar com realizações incompatíveis com meus recursos, entretanto por acréscimo de bondade, fortalece-me para a execução das pequeninas tarefas ao meu alcance.
Apaga-me os melindres pessoais, de modo que não me transforme em estorvo diante dos irmãos, aos quais devo convivência e cooperação.
Auxilia-me a reconhecer que o cansaço e a dificuldade não podem converter-me em pessoa intratável, mas mostra-me, por piedade, quanto posso fazer nas boas obras, usando paciência e coragem, acima de quaisquer provações que me atinjam a existência.
Concede-me forças para irradiar a paz e o amor que nos ensinastes.
E, sobretudo, Senhor, perdoa as minhas fragilidades e sustenta-me a fé para que eu possa estar sempre em ti, servindo aos outros.
Assim seja.
Francisco Cândido Xavier
Pelo Espírito MEIMEI

segunda-feira, 9 de junho de 2014

IMPORTÂNCIA DO EQUILÍBRIO ESPIRITUAL




Tão difícil torna-se falarmos da vida espiritual, porque no momento na Terra os problemas se acumulam, problemas que não são de apenas um, mas sim de toda a humanidade.

Difícil se torna fazê-los entender que a vida terrena está interligada à vida espiritual que é a verdadeira vida, que é a que tem a resposta a tantas e tantas questões que vocês colocam para si mesmo, milhares de vezes no seu dia a dia.

Parece que a maioria dos espíritos encarnados sempre acham que a vida material é a emergente e que dela se origina seus problemas, suas dores, suas frustrações.  Também parece que sempre estão muito ocupados, sempre deixando para depois qualquer coisa que os desvie dos seus tão necessários compromissos.

Ora encontram tempo para tantas coisas, encontram tempo para lazer, para uma conversinha jogada fora, para reparar na vida alheia, mas não encontram tempo para tirar cinco minutos de seu dia e agradecer ao Pai as bênçãos que recebem constantemente em suas vidas, aliás, nem conseguem enxergar estas bênçãos, elas estão aí, mas estão tão ocupados que não enxergam, que não sentem, que não veem.

Tão ocupados estão, que nos centros que incentivam a leitura do evangelho no lar, eles costumam dizer “apenas dez minutos um dia na semana, é o suficiente”, sim até concordo que pelo menos uma vez na semana por dez minutos, será criado no lar o ambiente necessário para que os bons amigos espirituais possam atuar, energizando, doutrinando alguns obsessores que por acaso possam ali estar ou mesmo dando assistência a alguma alma perdida que para ali foi atraída. É nestes poucos momentos que tentamos influenciar os encarnados presentes de forma positiva, retirando a sua negatividade, intuindo bons pensamentos, aconselhando e orientando.

Tudo isto feito, normalmente, naqueles dez minutos que o dirigente diz ser o suficiente, bem ele o sabe que nem sempre é o suficiente, conforme a doença o tratamento, mas se até os curtos dez minutos para os encarnados já é difícil, imagina se pedissem para eles todos os dias dez minutos? Nossa retirar dez minutos de seu precioso dia, de sua preciosa vida, de seus preciosos afazeres? Ah não, em sua maioria eles dirão, “mas daqui a pouco vamos virar fanáticos”.  Então, pacientemente, por orientação da espiritualidade, eles recomendam os pequenos dez minutos, mesmo assim,  muitos sem ter noção da importância desta pratica, concordam na hora, até se pré dispõe a fazê-lo, mas no dia estipulado eles distraídos esquecem. E o pior é que realmente não fazem por mal, simplesmente dão tão pouca importância que suas mentes apagam o compromisso assumido com a espiritualidade.

Ah! Meus amigos, se vocês soubessem a importância que tem um ambiente equilibrado, a importância de um lar em harmonia espiritual, quantas e quantas contendas seriam evitadas, quanta força vocês encontrariam dentro de vocês mesmos para resolverem os problemas materiais, os problemas terrenos, sem contar a importância que tem quando dentro de um lar encontra-se pessoas acamadas, doentes, com o equilíbrio espiritual os irmãos que trabalham na cura têm muito mais facilidade para agirem.

É meus amigos, tudo se tornaria mais fácil para todos se os encarnados dessem a devida importância a vida espiritual, se realmente levassem a sério o que já é tão antigo : cada um colhe conforme o que planta. Não estou falando nenhuma novidade, todos sabem disso, mas a grande maioria se esquece disso quando no seu dia a dia, tem pensamentos de egoísmo, de inveja, quando julgam, quando são gananciosos, quando passam por cima de um irmão, quando se recusam a estender a mão aos desfavorecidos da sorte, quando dentro de seus próprios lares agem com orgulho e radicalidade.

Como é fácil se dizer injustiçado, quando se olha os fatos só pelo prisma da vida presente ou então sob o prisma de sua própria visão esquecendo-se de olhar os fatos sempre por todos os ângulos, esquecendo-se de se colocar no lugar dos outros envolvidos. Como é fácil achar que os outros são errados, quando para os nossos erros arranjamos justificativas e para os erros dos outros as mesmas justificativas nada valem.

Ah meus amigos, ficaria aqui a falar sobre o assunto horas a fio e com certeza mesmo assim muitos de forma nenhuma meditariam ou refletiriam sobre o assunto, outros cegos pelo próprio ego iriam apontar pessoas julgando que estas palavras são para este ou aquele conhecido.

 Mas mesmo assim, eu quis deixar esta reflexão, eu quis dizer a vocês da importância da estabilidade espiritual, não importa a sua religião, não importa mesmo no que você acredita, importa sim que você se lembre das Leis de Amor que o Cristo tanto exemplificou e se você tem agido conforme estas leis.

Bem meus amigos, eu logicamente encarnei muitas vezes e, com certeza, agi exatamente assim, desta forma errônea, quando nas últimas encarnações comecei a ter noção da importância da espiritualidade, da importância da pratica dos ensinamentos de Jesus, é que finalmente pude dizer, em vida, que apesar de tanto sofrimento que eu assistia nesta terra, eu vivia em paz e para mim este era o máximo que nesta terra eu conseguiria chegar próximo da felicidade, uma vez que realmente ninguém é feliz assistindo o sofrimento de tantos irmãos. No entanto, vivia sempre em alerta para não permitir que o orgulho e o ego tomasse conta de mim, sendo que algumas vezes quase me levei por tais sentimentos, e uma vez verdadeiramente aconteceu e logo eu recebi a lição que merecia.

Hoje aqui em meu cantinho, eu tento continuar o trabalho há muito começado, ainda luto com o meu ego e orgulho, quando penso que estão extintos, de vez enquanto sinto que eles querem aparecer, mas a Graça de Jesus tem me abençoado e eu tenho conseguido contê-lo e abafá-lo através de atitudes de amor que me levam à humildade.
Pensem, reflitam e tentem no seu dia a dia reequilibrar suas energias agindo de forma que a sua consciência esteja sempre em paz, coloquem-se no lugar do teu próximo, olhem ao seu redor e percebam as bênçãos Divinas.

Fiquem em paz,
ditado pelo irmão da Paz,
psicografado por Luconi
em 29-03-2012
Poderá também gostar de:


sexta-feira, 6 de junho de 2014


ORAÇÃO DA FELICIDADE 

Não chore pelo que você perdeu, lute pelo que você tem.
Não chore pelo que está morto, lute por aquilo que nasceu em você.
Não chore por quem te abandonou, lute por quem está a seu lado.
Não chore por quem te odeia, lute por quem te quer feliz.
Não chore pelo teu passado, lute pelo teu presente.
Não chore pelo teu sofrimento, lute pela tua felicidade.
Não é fácil ser feliz. Temos que abrir mão de várias coisas, fazer escolhas e ter coragem de assumir
ônus e bônus para ser feliz.
Com o tempo vamos aprendendo que nada é impossível de solucionar, apenas siga adiante com quem quer e luta para estar com você.
Se engana quem acha que a riqueza e o status atraem a inveja ... as pessoas invejam mesmo é o sorriso fácil, a luz própria, a felicidade simples e sincera e a paz interior...
[Papa Francisco]

PERDOAR É ESQUECER?




Perdoar é esquecer ?
Não. Perdoar independe de esquecer. Uma coisa nada tem a ver com a outra, são coisas distintas – até porque não somos alienados. Temos no cérebro uma memória que registra todos os fatos, por isto quem perdoa não tem que, necessariamente, esquecer do agravo sofrido. O que é preciso, na verdade, é esquecer no sentido de diluir a mágoa, a raiva ou o ressentimento que o fato gerou, caso contrário o perdão é superficial ou até mesmo ilusório.
Esse tipo de esquecimento é extremamente benéfico para quem sofreu algum tipo de agressão, porque a energia gerada, a cada instante em que se revive o fato infeliz, aumenta a ferida que se formou e numa verdadeira roda viva acumula novo e desnecessário sofrimento. Tanto isto é uma verdade que a própria ciência da psicologia diz a todo instante, atestando que o esquecimento da mágoa por si só vale como uma excelente psicoterapia, pois que...
O apego à ofensa propicia ao ofendido a oportunidade de carregar sozinho a chaga em que ela se constitui.
A diferença está naquele que realmente perdoa e consegue liberta-se daquela parte pesada da lembrança a ponto de não mais sofrer ao relembrá-la. Daí, como diz Divaldo Pereira Franco: “Perdoar é bom para quem perdoa.”, ou seja, quem perdoa livra-se do fardo triste que carregava e quem foi perdoado nem sempre alcança a mesma graça de vez que assumiu um ônus pelo qual responderá, ainda que perdoado.
Alguém diria: “mas então prevalece a Lei de Talião*?” E responderíamos: Absolutamente que não! Prevaleceria e prevalecerá sempre a misericórdia divina, a Lei de Causa e Efeito, segundo, a qual Deus nos propicia o ensejo de resgatar nossos erros, ou dívidas, como querem alguns, valendo lembrar que esse pagamento não acontece necessariamente pela dor, especialmente quando o ofensor se arrepende do at que praticou, podendo assim anular seu débito pela força do amor e doação que dispensar a outrem.Vemos isto no Evangelho de João, quando ele afirma que: “O amor cobre uma multidão de pecados”.
Quanto a Lei de Talião, embora absurda e abominável a nossos olhos, era uma necessidade daquela época em que o homem era bárbaro, época em que o homem tinha muito pouca consciência do que era Amor e Respeito, e que só era contido pelo medo dos castigos, tão ou mais horríveis que o ato praticado.
Foi essa uma das grandes razões da vinda de Jesus ao nosso Planeta. Uma das partes mais lindas de sua missão foi justamente mudar a concepção de um Deus tão bárbaro quanto o homem, ensinando sobre um Deus justo... Mas infinitamente bom. Severo... mas infinitamente misericordioso. Um Deus que a tudo perdoa, mas que deixa ao sabor do livre arbítrio de cada um a responsabilidade de suas atitudes e o aprendizado que elas possam trazer.
Ainda enfocando as benesses de que é alvo aquele que perdoa, lembramo-nos que Emmanuel, Espírito de grande sabedoria, numa psicografia do nosso bom e inolvidável Chico Xavier, nos esclarece em “O Consolador”, questão 337:
“Concilia-te depressa com o teu adversário” – essa é a palavra do Evangelho, mas se o adversário não estiver de acordo com o bom desejo de fraternidade, como efetuar semelhante conciliação?
- Cumpra cada qual o seu dever evangélico, buscando o adversário para a reconciliação precisa, olvidando a ofensa recebida. Perseverando a atitude rancorosa daquele, seja a questão esquecida pela fraternidade sincera, porque o propósito de represália, em si mesmo, já constitui uma chaga viva para quantos o conservam no coração. ”
Vemos aí, embutida nas palavras de Emmanuel mais um alerta a considerar; aquele que busca sinceramente o perdão já está fazendo dignamente a sua parte, ainda que o ofendido se recuse. Quando aquele que concede o perdão não deve se ater ferrenhamente ao que vai ser feito do perdão que concedeu, pois já fez a sua parte, também aí, o que se seguir é problema do perdoado.
Sabemos que mesmo com todo estes conhecimentos muitas vezes perdoar é um aprendizado difícil, que, não raro, requer um esforço muito grande. Mas por isto mesmo é divino, é o caminho da porta estreita que vale a pena enfrentar, pois se o próprio Cristo nos disse que devemos perdoar “setenta vezes sete”é porque em sua divina sabedoria sabia que não só o ofensor, mas também o ofendido possui fragilidade de caráter e igualmente ser perdoado setenta vezes sete.
Para concluir lembramo-nos de que... esquecendo ou não, se o perdão é algo muito importante para o perdoado, é ainda muito mais para aquele que tem a felicidade de conseguir perdoar, porque...
Quem perdoa já cresceu no amor... Quem humilde e sinceramente pede perdão... Caminha para o mesmo crescimento.
Doracy Mércia De A. Mota
Bibliografia.
O Consolador – Emannuel e Chico Xavier
O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec
* Olho por olho e dente por dente.

PAI NOSSO ORQUESTRADO

SOU TEU ANJO

UM DIA A GENTE APRENDE.

♥i ♥♥