Que não perdamos a capacidade de ajudar os outros mesmo quando eles não possam ver e mesmo que não possam nos dar em troca sua gratidão.



SEJAM BEM VINDOS


ENTRE E SINTA-SE A VONTADE.

Aqui neste cantinho voce encontrará palavras de fé, de amor de estímulo e de paz.
O nosso objetivo é o de levar até voce os ensinamentos do Cristo, de forma simples, mas enriquecedora ao seu bem estar.
Que o amor, a bondade e a misericória divina ilumine a todos.
Muita luz e paz em nossos corações.

Beijos fraternos.
Dilemar Neto.

AVE MARIA NO VIOLINO. OUÇA ENQUANTO LÊ AS MENSAGENS.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

HOMENAGEM A UM NOVO AMIGO.



Eu ganhei um novo amigo,
A quem chamo de "Pai velho"
Ele é doce como o mel,
Muito sábio e muito sério.

Quando chega é de mansinho,
Com a tua voz de ternura,
Com gestos de humildade,
de amor,carinho e ternura.

Me transmite tanta paz,
Estímulo e segurança,
Coragem e persistência,
Alegria e esperanças.


Sempre tem um bom conselho,
A quem ouvi-lo quiser,
Mostra-nos que só vale a pena,
O amor, o perdão e a fé.

Conta-me tua histórias,
De sofrimento e de dor,
E de como conseguiu,
Ser hoje um vencedor.

Um vencedor que ainda procura
Elevar-se pela fé em Jesus.
Praticando a caridade
Espalhando a sua luz.

Ele está já bem velhinho,
Mas ainda é bom guerreiro
No mister de difundir o Evangelho,
Aos filhos do mundo inteiro.

Não se cansa, não reclama,
Não tem pressa em ensinar
Que a salvação do mundo,
Se resume no verbo amar.

Amar a Deus, incondicionalmente
Ter Jesus no coração,
Ser forte e generoso
Saber perdoar o irmão.

Obrigada meu amigo,
Obrigada amigo meu,
Estás em meu coração,
E sei que estou no teu.

Homenagem ao um ser que aprendi amar, adimirar e respeitar

Dilemar Neto.

AGRADECER É UM ATO DE AMOR.

Um tema  muito importante  e que de tempos em tempos volta a ficar em foco é a INGRATIDÃO. 
Falar sobre os erros que alguém comete ao ser ingrato ou sobre o problema que esse sentimento traz para um grupo é algo até que corriqueiro,  Pois hoje  vamos  em sentido contrário.Vamos  falar sobre a GRATIDÃO.
Gratidão é um sentimento que traz junto de si uma série de outros sentimentos: amor, ternura, fidelidade, amizade, cumplicidade… Mas nunca submissão! É importante não confundir gratidão com atitudes de lisonja ou bajulação pois não há hierarquias na gratidão e não há diferenças. Aliás, o oposto da gratidão não é, como muitos pensam, o ódio, mas sim a indiferença. Quem não ama (seja que tipo de amor for: de pai, de mãe, de irmão, de namorado ou esposa) não é grato. Quem não ama não é aquele que odeia, mas sim aquele que ignora, que é indiferente. A falta de gratidão é resultado da incapacidade de dar e por isso mesmo está ligada ao egoísmo e à insensibilidade, afinal agradecer é dar, é dividir.

A gratidão não nos tira nada, ela é um dom de troca, é amor puro e verdadeiro e por isso ela se aproxima tanto da caridade, que seria como “uma gratidão incoativa, uma gratidão sem causa, uma gratidão incondicional”. Há um quê de nobreza, de olho no olho, de igualdade e reconhecimento do espírito e do pensamento daquele a quem devemos ou de quem somos alvo de gratidão.

A gratidão é um mistério, não pelo prazer que temos com ela, mas pelo obstáculo que com ela vencemos. É a mais agradável das virtudes, e o mais virtuoso dos prazeres. A gratidão é, definitivamente, o caminho para trazer mais para sua vida, pois tudo em que pensar e agradecer será trazido a você. Pense nisso, pense na gratidão. Pense nela, inclusive, como um sinal de maturidade e de harmonia. Pense e pratique!

Se você precisa de mais motivos para começar a agradecer, saiba que pesquisas no mundo da física quântica revelam o poder do pensamento, do sentimento e da palavra. O ciêntista japonês Dr. Masaru Emoto investigou e provou o efeito da música, da palavra e da oração nas moléculas de água. Basicamente ele capturou “expressões da água” em uma tecnica que consiste em congelar e fotografar cristais de água. Esses cristais eram fotografados após a água ficar exposta a musicas, a palavras ou a orações.

O resultado é surpreendente e prova o quanto palavras, sentimentos e pensamentos afetam a água e se levarmos em consideração que grande parte do nosso corpo é constituido por água as implicações de nossos pensamentos e palavras tornam-se espantosas.
Algumas pessoas rotulam garrafas de água com palavras como “Amor” e “Gratidão” e usam essa água para regar as plantas ou colocar flores. É comprovado que as flores que ficaram nesta água rotulada com sentimentos virtuosos duram muito mais e que as plantas no jardim que foi regado com essa água estão muito mais radiantes.

Está convencido agora? Então pratique a gratidão e verá tudo à sua volta modificar. Um exercício poderoso para isso é acordar e dizer “Obrigado”, é colocar os pés no chão e dizer “Obrigado”, é escovar os dentes e dizer “Obrigado”, é fazer todas as atividades do seu dia e não sentir que aquilo é algo rotineiro ou obrigatório, mas sim algo único e especial, capaz de gerar aquela sensação boa de gratidão. Afinal de contas se VOCÊ É ÚNICO E ESPECIAL, por que as coisas que você faz todos os dias não seriam?

Gratidão não faz mal a ninguém e não tem contra indicação. Para senti-la basta amar.

Muito amor e muita gratidão na vida de todos daqui pra frente! Axé!

Fonte:  "O Juca- " Mônica caraccio.

domingo, 30 de maio de 2010

O AMOR


Quando o amor chama, sigam-no, mesmo que tenha caminhos pedregosos e íngremes.
E quando lhes fala, creiam nele mesmo que sua voz possa dissipar os sonhos de vocês, como o vento norte devasta o jardim.
 Pois da mesma forma que o amor exalta vocês, assim os crucifica, e da mesma forma que os faz amadurecer, assim os podará.
Ele entrega vocês ao seu fogo sagrado para que sejam o pão santo da mesa de Deus.
Tudo isso realiza o amor em vocês, para que conheçam o segredo do coração de vocês e possam tornar-se um fragmento do coração da Vida.
O amor não dá nada além de si próprio, e nada colhe senão em si mesmo.
O amor não possui nem desejaria ser possuído porque o amor é suficiente ao amor.
E não pretendam dirigir o amor porque, se os encontrar dignos, será ele quem os conduzirá.
O amor deseja somente consumar-se!
Se amam de verdade, sejam estes seus desejos: despertar de madrugada com coração alado e agradecer mais um dia de amor; e um hino de louvor nos lábios

Gibran Kahlil Gibran,


,




sábado, 29 de maio de 2010

SÚPLICA AO PAI.

Deus, meu  Pai de amor e bondade,
Daqueles que não O conhecem.
Tenha piedade!

Estende Tuas mãos carinhosas
Sobre toda a humanidade,
E dos que sofrem nos leitos,
Por favor, tenha piedade!

Ergue o Teu manto sagrado,
Sobre nós pobres coitados
E não deixe sozinhos,
Leve-nos pelos caminhos.
Sustentados em Tuas mãos,
Pai que ouve, e nos atende,
Faça de nós as sementes,
Das colheitas que virão.

Que sejam boas colheitas,
De luz, paz e amor,
Que se espalhe pelo mundo
Curando de todos, a dor.

Semeia o Teu amor ó Pai,
Sobre este planeta imperfeito,
Desperta em nós a alegria
De sermos bons tarefeiros.

Tarefeiros do Teu amor,
Tarefeiros da humildade
Tarefeiros trabalhadores
Com honradez e generosidade.

Que o Teu olhar desça até nós,
Que o teu amor nos perfume a alma,
Que a Tua bondade nos transforme as mãos,
Sempre em gestos de caridade.

Derrame Pai sobre nós
As Tuas bênçãos de luz,
Dai-nos por guia sempre,
O seu Filho, nosso irmão,
JESUS.

Obrigada Pai, por existir em meu coração.

Dilemar Neto.

PENSAMENTO

O fluido vital, de que todo ser é dotado, é o responsável pela força motriz que
movimenta os corpos.
 Sem ele a matéria é inerte. A quantidade de fluido vital não é a mesma em todos os seres.
 Uns têm mais, outros menos, de acordo com a vida que levam.
O fluido vital pode ser transmitido de uma pessoa para outra.
O pensamento exerce uma poderosa influência nos fluidos espirituais, modificando suas características básicas. Os pensamentos bons impõem-lhes luminosidade e vibrações elevadas que causam conforto e sensação de bem estar às pessoas sob suas influências.
 Os pensamentos maus provocam alterações vibratórias contrárias. Os fluidos ficam escuros e sua ação provoca mal estar físico e psíquico
. Os maus pensamentos corrompem os fluidos espirituais, como os miasmas deletérios corrompem o ar respirável (Gênese=Allan Kardec, cap. IV-16).
 Desta forma, atraímos para nós seres desencarnados com tendências morais e vibratórias semelhantes.
 O pensamento é como um imã: puxa, atrai conforme pensamos. Se pensamos mal, se estamos tristes, deprimidos, com raiva, mágoa, atraímos os encarnados que se encontram neste mesmo nível vibratório.
 A angústia, tristeza, desesperança, aparece formando um quadro psíquico deprimente. A ação dos espíritos sobre os fluidos espirituais tem conseqüências de importância direta e capital para os encarnados, desde o momento em que tais fluidos são o vínculo do pensamento, podendo ser modificado desde que empregamos boas qualidades a eles.
Aliando-se a boas companhias espirituais, através de bons pensamentos, estabelecemos uma melhor atmosfera fluídica em torno de nós próprios e do ambiente em que vivemos. Todo somos responsáveis de alguma maneira, pelo estado de dificuldades morais em que vive o nosso planeta, cabendo a nós modificá-lo, domando a nossa fera interna, vigiando os nossos pensamentos e orando sempre o Criador.
Mágoas, ressentimentos, desespero, atritos, irritações causam crises do pensamento, estabelecendo lesões mentais que podem culminar em processos patológicos no corpo e na alma., quando não se convertem em loucura levando até a morte.
Com os ensinamentos espirituais aprendemos que os atos de bondade, guiados pelos bons pensamentos, ainda os mais apagados e pequenos que sejam, são plantações de alegrias eternas.
Exercícios de autocontrole,de reflexões otimistas, de ações enobrecedoras funcionam como terapia libertadora: bons pensamentos, boa saúde.
O intercâmbio entre as dimensões, processa-se através de energias liberadas pelo pensamento.
Dentro do livre arbítrio, compete a cada um a melhor forma de gerenciar o seu pensar: se pensamos no bem, atraímos boas vibrações: se pensamos no mal, atraímos más vibrações.

Que a luz divina nos ajude a estar sempre com bons e vibrantes pensamentos.

Um abraço fraterno.

Dilemar Neto.







sexta-feira, 28 de maio de 2010

CARIDADE








A caridade é a base da Paz no relacionamento humano.

AMPARO Á CRIANÇA

Se nos propomos a edificar o futuro com o Cristo de Deus é necessário auxiliar a criança.
Se desejamo solucionar os problemas do mundo, de maneira definitiva, é indispensável ajudar a criança.
Se buscamos sustentar a dignidade humana, abolindo a perturbação e imunizando o povo contra as calamidades da delinquência, é preciso proteger a criança,
Se anelamos a construção da Era Nova, na qual as criaturas entrelacem  as mãos na verdadeira fraternidade,em bases de seviço e sublimação espiritual, é imprescindível socorrer a criança.
Entretanto convenhamos que os grandes malfeitores da terra,os fazedores de guerras e os verdugos   das nações, via de regra, foram crianças primorosamente resguardadas contra quaisquer privações na infância.
E ainda hoje os jovens transviados habitualmente procedem de climas domésticos em que a abastância material não lhes proporcionou ensejo a qualquer desciplina, pelo conforto excessivo.
Urge, pois,  não só amparar as nossas crianças, mas educá-las e induzí-las ao esforço de construção de um mundo melhor.
(Mensagem de Batura, recebida por Chico Xavier, contida no livro Mais luz.)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

LIBERDADE

"Liberdade- essa palavra,
que o sonho humano alimenta,
Que não há ninguém que explique,
E ninguém que não entenda.
(Cecilia Meireles, em Romanceiro da Inconfindência)

ORAÇÃO

                                                   A oração nos transporta para um mundo de paz…


ESPIRITUALIDADE

Ter espiritualidade nem sempre significa professar alguma religião. Ir à missa todos os dias, ao centro espírita, culto evangélico ou tenda de umbanda. Espiritualidade é um jeito de viver a vida e encarar todos os momentos. Ver além das aparências , as pessoas e situações.

Acreditar que não somos somente matéria, mas temos algo eterno e indestrutível: o espírito. Nosso bem maior, nosso tesouro.
Não é sua aparência atual, mas a carne reflete seu espírito. Tudo o que você é, a matéria carimba, sabia?
No entanto, você não é só isso!

Quando você age de acordo com sua alma e sua essência mais profunda, se sente feliz! Profundamente feliz! Não importa que situações esteja vivendo ou passando, a serenidade será seu guia.

Quando estiver insatisfeito ou triste, sua alma não está feliz. O que é a "alma"? Ser vivente! Espírito e matéria.

Nosso espírito é sinalizado pelo períspirito. Ele adquire sempre a forma da última encarnação.

Viver em espiritualidade é abrigar sentimentos bons durante o dia corriqueiro. Fazer o Bem quando sua alma pedir.

Não importa que religião seja professada, mas as atitudes mais íntimas da sua alma.
O termometro é seu corpo: você se sente bem? está aflito ou ansioso?
Viva com espiritualidade mantendo contato com energias espirituais positivas.

Não é difícil, é tentar todos os dias.


 Fonte:( Relax.mental )

TRANSFORME-SE PELA FÉ.

A fé comove o interior do espírito.
Toca fundo, transforma, edifica, esclarece.
A luz divina e o amor puro, captados pela fé, removem as impurezas da alma e nela injetam claridades e valores novos.
Mesmo com esforço, busque as vibrações espirituais e conscientize-se da santificada energia que está instalada no âmago de você.
Transforme-se pela vibração espiritual

BUSQUE O QUE TE FARÁ MELHOR.

Busque a alegria e encontrará a felicidade

Busque uma saída e encontrará o caminho

Busque um descanso e encontrará o paraíso

Busque o perdão e encontrará uma chance

Busque as lágrimas e encontrará consolo

Busque o refúgio e encontrará abrigo

Busque a fé e encontrará a esperança

Busque a confiança e encontrará fidelidade

Busque a coragem e encontrará vitória

Busque os desejos e encontrará paixões

Busque a paixão e encontrará o amor

Busque a união e encontrará companheiros

Busque a sinceridade e encontrará amigos

Entre buscar e encontrar algo na vida

Busque nas suas escolhas

Encontrar o melhor de você!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

VIDA É ETERNIDADE


NÃO HÁ PONTO FINAL PARA O AMOR.
O AMOR É VIDA E A VIDA É ETERNIDADE.

André Luiz

Da mensagem "Em Termos Lógicos"

(Francisco Cândido Xavier, Estude e Viva, 21, FEB)

A CRUCIFICAÇÃO


Fita o Mestre, da cruz,a multidão fremente,
A negra multidão de seres que ainda ama.
Sobre tudo se estende o raio dessa chama,
Que lhe mana da luz do olhar clarividente.

Gritos e altercações! Jesus, amargamente,
Contempla a vastidão celeste que o reclama:
Sob os gládios da dor aspérrima,derrama,
As lágrimas de fel do pranto mais ardente.

Soluça no silêncio. Alma doce e submissa,
E, em vez de suplicar a Deus para a injustiça
O fogo destruidor em tormentos que arrasem,

Lança os marcos da luz na noite primitiva,
E clama para os céus em prece compassiva:
"-Perdoai-lhes, meu Pai, não sabem o que fazem!..."
(Olavo Bilac)
Fonte: Chico Xavier- Parnaso de além túmulo.

terça-feira, 25 de maio de 2010

SEMENTES DE LUZ




Sementes de Luz

Uma palavra de fé
A que a bondade se alia,
Uma nota de esperança
Um momento de alegria;

Uma ligeira oração
Em nome da caridade,
Um sorriso que coloque
Qualquer pessoa à vontade;

Um olhar de simpatia,
Uma simples gentileza,
Um ato de proteção,
Que defenda a Natureza;

Uma frase de otimismo,
Um só aperto de mão,
Um minuto de socorro,
Que nos toque o coração;

Parecem migalhas pobres
Sem altura e sem valor,
Mas são sementes de luz,
Criando o Reino do Amor.

(Maria Dolores)

RIMÁRIO DE LUZ



Rimário de Luz


Se desejas cooperar no trabalho com Jesus,

Não te dês a censurar o peso da cruz.

*Casimiro Cunha.*

BARCO DA VIDA

Barco da Vida


Deus te entregou um barco, que é a tua vida, e por mares ou rios, entre a calmaria e a tempestade, tu tens o dever de pelo menos segurar no leme e buscar dirigir esse barco da melhor maneira possível,
conservando-o com carinho, para um dia devolvê-lo ao seu verdadeiro dono.

Se a tua viagem tem sido agitada por tempestades, se raios e trovões tem te
colocado em situação de medo e apreensão,

hoje, neste dia abençoado, tu vais ter a oportunidade de recomeçar, de jogar fora teus problemas e deixar o
teu barquinho mais leve.

Essa noite, o grande capitão Jesus, vai passar em todo o cais (casa), onde os barquinhos estiverem com um sinal, uma bandeira avisando ao Capitão que o dono daquele barco quer ter uma nova vida.
essa bandeira, esse sinal, é a tua oração, é a tua reflexão.

Então, se tu quiseres, esta noite tu vais dobrar os teus joelhos em sinal de humildade e vais falar com Deus..
Vais falar sobre tuas ansiedades, angústias, medos, decepções, tristezas,e vais refletir sobre tudo o que tu andas fazendo da tua vida,onde tu tens levado o teu barco,em quem tu tens confiado, em "o que" tu tens confiado e o que tu esperas para os teus dias.

Abra teu coração nesta noite, deixe o "barro", a "sujeira", a dor,e tudo o que não te serve e não presta
escoar pelo ralo da tua consciência, renove o teu acordo, teu contrato com Deus, e através de Jesus,o grande Capitão da nossa nau, entregues tudo o que é teu nas mãos Dele.

Hoje o teu barco vai ganhar um novo rumo, uma grande farol de Luz vai te guiar, o barco é a tua vida, e a Luz sempre será,

                JESUS.

(Paulo Roberto Gaefke)

segunda-feira, 24 de maio de 2010

ATITUDE





'Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez'..

DEUS





'Quando Deus tira algo de você, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor'.

sábado, 22 de maio de 2010

NÃO AO ABORTO. SIM À VIDA


A vida é um dom inalienável de Deus.
Como podemos nós, simples e imperfeitos mortais,
ousarmos inconsequentemente cercear a vontade do Pai?
Como por fim a uma vida que apenas se inicia e não nos pertence?
Como podemos ser tão estúpidos  a ponto de  decidir por outrem?
Não somos portadores de nenhuma autoridade para extirpação de vidas.
Filho não é o fim nem meio. Filho é o início de tudo.
Matar é crime em qualquer circunstância, mas o gesto se torna ainda mais hediondo, quando a vítima não detém qualquer meio de defesa.
E é assim que ocorre no aborto; o feto indefeso sofre duplamente as dores da dilaceração; uma pela dor física propriamente dita, a outra, talvés pior, por ver sua  missão ser brutalmente interrompida aqui na terra.
É provável que este espírito tenha esperado séculos para retornar, e de repente se vê indesejado  e expurgado por corações embrutecidos e mãos impiedosas.
É extremamente cruel e egoista impedirmos uma alma de passar pelas prova que serviria de intrumento ao corpo que se estava formando.
Devemos lembrar que se agora aqui estamos, inclusive escrevedo este artigo, é porque já tivemos um útero que nos abrigou,uma alma generosa que nos acolheu.
O aborto é um crime nefando e odiável.
Não olvidem que o ser em formação tem um compromisso cármico a ser cumprido e aquele que deter esta marcha,levará em sua bagagem de volta à casa do Pai, um pesado fardo chamado responsabilidade criminal.
E quando Deus perguntar a cada pai e à cada mãe: que fizestes do(s) filho(s) confiado(s) a vossa guarda?
Provalvemente Lhes faltará voz para responder-Lhe: eu pratiquei o aborto, eu matei meu filho.
Digamos não ao aborto. Digamos sim à vida..
Vamos receber,acolher e amar os filhos que bondosamente Deus nos enviar.
É tão gratificante, tão gostoso, tão salutar, vermos nossas crianças  nascerem amadas, vê-las a  correr pela casa, chamando, papai, mamãe e quando  na velhice,  podermos tê-las ao nosso lado.
Mães do mundo inteiro, pensem nisto.

PRECE DE CÁRITAS

A prece sempre foi e será um precioso alimento para a alma.
A prece revigora, acalenta e acalma
Vamos falar com o Pai, clamando-O assim: 

Deus, nosso Pai, que sois todo Poder e Bondade, dai força àquele que passa pela provação, dai luz àquele que procura a verdade; ponde no coração do homem a compaixão e a caridade!

Deus, dai ao viajor a estrela guia, ao aflito a consolação, ao doente o repouso.

Pai, dai ao culpado o arrependimento, ao espírito a verdade, à criança o guia, ao órfão o pai!

Senhor, que a Vossa Bondade se estenda sobre tudo o que criastes. Piedade, Senhor, para aquele que vos não conhece, esperança para aquele que sofre. Que a Vossa Bondade permita aos espíritos consoladores derramarem por toda a parte, a paz, a esperança, a fé.

Deus! Um raio, uma faísca do Vosso Amor pode abrasar a Terra; deixai-nos beber nas fontes dessa bondade fecunda e infinita, e todas as lágrimas secarão, todas as dores se acalmarão.

E um só coração, um só pensamento subirá até Vós, como um grito de reconhecimento e de amor.

Como Moisés sobre a montanha, nós Vos esperamos com os braços abertos, oh Poder!, oh Bondade!, oh Beleza!, oh Perfeição!, e queremos de alguma sorte merecer a Vossa Divina Misericórdia.

Deus, dai-nos a força para ajudar o progresso, afim de subirmos até Vós; dai-nos a caridade pura, dai-nos a fé e a razão; dai-nos a simplicidade que fará de nossas almas o espelho onde se refletirá a Vossa Divina e Santa Imagem.

Assim Seja."

NOVE PASSOS PARA O PERDÃO

Do livro: o Poder do perdão, Dr. Fred. Luskin



Depois de ter sido magoado pelo seu melhor amigo, Dr. Fred Luskin fez sua busca solitária pelo perdão e acabou descobrindo uma área de estudos pouco explorada. Surgiu então, o Projeto Perdão, onde o tema se tornou foco de pesquisas científicas e desenvolvimento de tratamentos específicos. Os nove passos a seguir, foram descritos no livro ¨o Poder do Perdão¨ de sua autoria. Coloco aqui uma pequena amostra para quem acha que perdoar é um assunto desgastado:


1. Saiba exatamente como você se sente sobre o que ocorreu e seja capaz de expressar o que há de errado na situação. Então, relate a sua experiência a umas duas pessoas de confiança.

2. Comprometa-se consigo mesmo a fazer o que for preciso para se sentir melhor. O ato de perdoar é para você e ninguém mais. Ninguém mais precisa saber sua decisão.

3. Entenda seu objetivo. Perdoar não significa necessariamente reconciliar-se com a pessoa que o perturbou, nem se tornar cúmplice dela. O que você procura é paz.

4. Tenha uma perspectiva correta dos acontecimentos. Reconheça que o seu aborrecimento vem dos sentimentos negativos e desconforto físico de que você sofra agora, e não daquilo que o ofendeu ou agrediu dois minutos ou dez anos atrás.

5. No momento em que você se sentir aflito, pratique técnicas de controle de estresse para atenuar os mecanismo de seu corpo.

6. Desista de esperar de outras pessoas ou de sua vida, coisas que elas não escolheram dar a você. Reconheça as "regras não cobráveis" que você tem para sua saúde ou para o comportamento, seu e dos outros. Lembre a si mesmo que você pode esperar saúde, amizade e prosperidade e se esforçar para consegui-los. Porém você sofrerá se exigir que essas coisas aconteçam quando você não tem o pode de fazê-las acontecer.

7. Coloque sua energia em tentar alcançar seus objetivos positivos por um meio que não seja através de experiência que o feriu. Em vez de reprisar mentalmente sua mágoa, procure outros caminhos para seus fins.

8. Lembre-se de que uma vida bem vivida é a sua melhor vingança. Em vez de se concentrar nas suas mágoas, o que daria poder sobre você à pessoa que o magoou, aprenda a buscar o amor, a beleza e a bondade ao seu redor.

9. Modifique a sua história de ressentimento de forma que ela o lembre da escolha heróica que é perdoar. Passe de vítima a herói na história que você contar.

( fonte : http://perfumeespiritual.blogspot.com

quinta-feira, 20 de maio de 2010

UTILIDADE PÚBLICA

Não sei se procede...a pessoa que me enviou é de total credibilidade.


Se alguém tiver este terrível problema e quiser pesquisar pelo nome do médico, boa sorte!


R E P A S S A N D O. . .

Cirurgia (laparoscopia) para cura de diabetes


O cirurgião Áureo Ludovico de Paula, goiano, desenvolveu uma técnica

cirúrgica (laparoscópica) chamada "freio neuroendócrino" para cura da

diabetes. Ele opera em Goiânia ( Hospital das Especialidades), em São

Paulo (Hospital Albert Einstein) e em Nova York ( Mount Sinai

Hospital). O sucesso é da ordem de 93% (baixa a glicose no sangue e

torna a pessoa independente dos medicamentos). A técnica, pela

legislação brasileira, é experimental. Se os pacientes, após 10 anos,

continuarem sadios, ela deverá ser elevada a procedimento de rotina (e

será um choque para a indústria farmacêutica, que tem nos medicamentos

anti-diabetes a sua segunda maior renda mundial).

quarta-feira, 19 de maio de 2010

VOCE QUER UMA CASA OU UM LAR?


CASA OU LAR?




O que será mais importante para nós: uma casa ou um lar?

Existe uma grande preocupação com a casa. São importantes o estilo, o tamanho e o número de peças, os móveis e, claro, cada coisa no seu lugar.

Nas viagens a passeio vamos adquirindo mais e mais coisas para enfeitar a casa: quadros, tapetes, bibelôs, cristais. E cada objeto vai ganhando o seu lugar especial, de particular destaque. Enquanto não chegam as crianças, quase tudo vai bem, mas quando elas chegam, começa a se tornar difícil se ter uma casa bem cuidada.

Alguns chegam ao exagero de ocultar brinquedos das crianças, porque elas fazem bagunça demais. Esquecem que, quando se tornarem adultas, elas não necessitarão mais de brinquedos. Esquecem que, quando elas crescerem, sentiremos saudades dos brinquedos espalhados, da bicicleta deitada no jardim, da bola esquecida no quintal.

Um dia, um pai, depois de ouvir o estardalhaço e as reclamações da esposa sobre o estado de sua casa, perguntou: afinal, o que você quer: uma casa ou um lar?


As palavras soaram para ela como uma bomba. Ele tinha razão. E seus olhos se voltaram para um quadro que tinha comprado algum tempo atrás e se encontrava na parede da sala.
Talvez Deus quisesse lhe dar uma mensagem, dizendo que ela deveria modificar as suas prioridades, pensou.
O quadro mostrava uma antiga roda de vagão de trem, encostada em um pilar, prestes a apodrecer. O mato ameaçava tomar conta das flores silvestres que cresciam perto de sua base. No topo do pilar, havia uma velha caixa de correspondência amassada, cuja porta sustentava-se no lugar apenas por uma dobradiça enferrujada.
Dentro, protegidos em seu ninho de galhos secos, quatro filhotes aguardavam a refeição. A cautelosa mãe estava empoleirada no galho de um arbusto retorcido que se sobressaía do outro lado da abertura da caixa de correspondência.
A mãe passarinho havia escolhido o local do ninho com muito cuidado. Naquele local precário, seus filhotes estariam protegidos do sol e da chuva, enquanto ela e seu companheiro procuravam comida. Aquela pequenina ave não estava preocupada com o que seus vizinhos poderiam pensar ou se seu ninho passaria pelo teste de controle de qualidade.
A mensagem da pintura era muito simples: a casa não faz o lar. O lar é construção da família. O lar é produto do carinho e do amor. Resultado do saber eleger prioridades.
Assim, quando você tiver que escolher entre uma casa totalmente limpa e arrumada e as necessidades de sua família, pense um pouco.
se sua filha lhe convidar para jogar com ela e você tiver uma pilha de roupas para lavar, pense que as roupas sempre necessitarão de sua atenção, mas um dia aquela garotinha parará de convidar você para jogar com ela.

Se seu filho lhe convidar para jogar bola e você estiver pensando em colocar em ordem a sua biblioteca, a sua sala de estudos, pense que os livros, os papéis continuarão sempre necessitando de ordem e limpeza, mas o seu garotinho crescerá e deixará de convidar você para chutar bola com ele.

Naturalmente, você não dará todo o seu tempo aos seus filhos, mas terá o bom senso necessário para administrá-lo bem, a fim de que entre as coisas da casa e as coisas mais importantes do lar, estas últimas sejam prioritárias.
Arrume sua casa e a mantenha em ordem, mas não esqueça de colocar flores de ternura nos vasos do seu lar, nem de regá-las com a água da paciência.
Quando descobrir rabiscos nas paredes, peça a seus filhos para os limparem, mas antes admire o arco-íris que eles pintaram.
Quando aparecerem marcas de dedos nas janelas, providencie a limpeza, mas antes fotografe todos os dedinhos com a câmara do seu coração para sempre os lembrar.
E quando descobrir brinquedos quebrados, agradeça a Deus, que sejam somente brinquedos e não os corações amados dos seus filhos, jóias preciosas da sua existência.

(A. D - Leni)

Melhor tolerar a bagunça das crianças, que chorar  a ausência das mesmas.
Curtam bem a suas infâncias,porque a vida passa depressa demais e logo logo eles batem as as asas e voam em busca de outros ninhos.
Eu já estou assim, sentindo a falta do barulho e da bagunça,porque cada um seguiu seu rumo e hoje têm vidas próprias.
Muito amor no caração de cada mamãe.
Dilly





SIGNIFICADO DE ALGUMAS FLORES



Amarilis (açucena) - Orgulho

Anémona - Abandonado

Anémona dos bosques - Enfermidade

Aquilégia - Leviandade

Alfazema (lavanda) - Desconfiança

Amor-perfeito - Pensamento

Agrimónia - Gratidão

Alsina - Reflexão tardia

Bardana maior - Não me toques

Botão-de-ouro - Infantilidade, ingratidão

Bico-de-cegonha - Devoção constante

Calta - Desejo de riquezas

Campainha - Perseverança

Campainha-roxa - Valor constante, persistência

Campânula - Submissão, mágoa

Campânula-branca - Esperança

Camélia - Beleza perfeita

Capuchinha - Patriotismo

Cardamina - Erro paterno

Cardo - Represália

Cardo-penteador - Misantropia

Cravo - Coração sofredor

Cravo-de-defunto (tagetes) - Luto

Clematite - Beleza espiritual

Crisântemo - Paixão

Centáurea (escovinha) - Sensibilidade

Cenoura silvestre - Festividade

Coroa Imperial - Majestade e poder

Celidónia-menor - Alegrias por vir

Dedaleira - Falsidade

Dente-de-leão - Oráculo

Flox - Harmonia

Genciana - És injusto

Gerânio - Tristeza

Girassol - Altivez

Goivo - Fidelidade no infortúnio

Hera - Fidelidade

Íris - Mensagem

Jacinto - Mágoa

Jasmim - Graça e elegância

Lilás - Primeiras emoções de amor

Lírio - Pureza

Lírio do Vale - Volta da felicidade

Madressilva - Índole meiga

Malva rosa - Ambição feminina

Margarida - Inocência

Miosótis (forget me not) - Amor verdadeiro

Narciso silvestre (asfódelo) - Afeição e fidalguia

Narciso - Vaidade

Nenúfar - Pureza do coração

Orquídea - beleza

papoila - Estravagância fantástica

Peónia - Vergonha e timidez

Prímula - Juventude

Rosa - Amor-paixão

Tulipa - Amor-espiritual, pureza de sentimentos, simpatia

Verbasco - Conforto

Verónica - Fidelidade

Violeta - Modéstia

(Fonte: Forum Espirita)

LENDA OU REALIDADE? OPORTUNIDADE PARA REFLEXÃO.

Conta-nos uma lenda, que um rico e próspero empresário, saiu em viagem de negócios com o seu motorista,
pessoa  honesta, leal,fervoroso, humilde e de cor negra.
Após algumas horas de viagem foram surpeendidos por um carro que vinha em alta velocidade e transitando pela contramão.
Apesar dos  ingentes esforços do motorista, acabaram colidindo-se, vindo os dois, patrão e empregado a falecerem no local.
Equipes espirituais, que abnegadamente prestam  este tipo de  socorro na orbe terrestre, logo se aproximaram, executando as medidas necessárias para encaminhamento daqueles irmãos à sua nova realidade, em outra dimensão.
Foram os dois espíritos socorridos e levados para  tratamento adequado  em uma das muitas colonias lá existentes .
Decorrido algum tempo,após adaptações,estudo e trabalho, foram novamente contatados por amigos espirituais, desta vez para serem levados às suas novas moradas.
Andavam por um caminho bonito, onde a vegetaçao era predominantemente formada por enormes arvoredos,flores dos mais variados matizez, riachos e pássaros cantantes, que mais pareciam uma bela sinfonia a invadir o ar.
Ao longe, avistaram uma bela e aconchegante casinha,,rodeada por
arbustos em vários tons de verde, jardim magnificamente ornado por flores de indescritível beleza.

Ao chegarem bem em frente a casa, o amigo espiritual, virando-se para o motorista, diz: eis ai a sua nova morada. Cuide dela com o mesmo carinho e dedicação com que cuidava da sua casa na terra.


O "patrão" silenciosamente pensava: se o meu empregado, pobre e negro, vai morar numa casa dessa, a minha deve ser um espetáculo.
Despediram-se ali, e o espirito e "patrão! continuaram a caminhada.
À medida que andavam, a paisagem ia se transformando: o verde e as flores já não mais se faziam ver; 
Não se ouvia nem via riachos e pássaros .
As poucas árvores eram secas, o terreno pedregoso. Enfim, o lugar era árido e feio.
Ele continuava pensando: a qualquer hora tudo vai se transformar em um belo campo de flores,com cachoeiras,pássaros,e aquela música suave vai se fazer ouvir,
A poucos metros de onde estavam, viu uma casinha bem singela,e uma sequidão ao redor.
Ao chegarem em frente a casa, o amigo que o acompanhava,virando-se para ele diz: aqui nos despedimos, esta é a sua nova casa.

Cuide bem dela e procure transformá-la em uma casa bonita,agradável e rodeada de flores e frutos.
Surpreso ele respondeu: amigo, voce deve ter se enganado; como escolher para  o meu empregado  uma casa como aquela e eu que sou o patrão num casebre como este? Está errado.
Ao que lhe diz o espirito amigo, de forma simples,carinhosa e amável: não meu irmão, não me enganei.
Aqui não temos o direito de escolher nada para ninguém.
As casas aqui são construidas com o material que voces não enviam lá da terra,  quando ainda vivem na matéria.
Como assim, pergunta o "patrão" indignado.
É facil   a resposta, diz o amigo espiritual.
O seu " empregado" como o senhor a ele se refere, foi um homem de  bem, religioso, trabalhador honesto, bom pai, bom marido, fiel cumprindor dos ensinamentos do Cristo,humilde,prestativo e jamais se negou, seja em que circunstância fosse, a estender as mãos para tantos quantos o procuravam em busca de alimento ou de uma palavra consoladora.
Ele pautou a sua vida na caridade pura e, embora pobre no sentido material, possuia uma riqueza incomum em seu coração.
O Senhor, ao contrário,embora dono de posses valiosas materialmente falando,nunca se preocupou em conhecer a Deus, jamais serviu àqueles que não tivessem condições de retribuir um favor, nunca tinha tempo para a esposa e para os filhos, porque estava sempre preocupado em aumentar a riqueza.
Como vê, a lei é justa: Quem dá aos pobres empresta a Deus. 
E se permite um conselho, digo-lhe: Deus é bom pai e não esquece dos seus filhos: nunca é tarde  para arrepender-se e pedir a sua misericórdia.  Ela virá com toda a certeza.
Procure estudar  e praticar  os ensinamentos cristãos  e verá que novas oportunidades lhe serão concedidas.
Que a paz de Jesus esteja com o  irmão.
Meus amigos, se é lenda ou não, pouco importa. O essencial é a maravilhosa lição.
Portanto, não se esqueçam de preparar a casinha que será o seu novo lar. quando formos chamados.
Procurem viver de acordo com os ensinamentos do Pai, praticando a caridade, tendo bons pensamentos, exercendo o perdão com alegria e satisfação. São estes atos que irão ao Pai em forma de material de construção.
Luz,paz e muito amor em suas vidas.
Dilly.

terça-feira, 18 de maio de 2010

SOCORRO E BENEVOLÊNCIA

Dirija-se aos outros com amor e compaixão, sem preocupar-se em receber nada em troca. O que importa não é o número de pessoas que você alcança com o seu amor, mas sim o ato de entregar-se carinhosamente.




Brian Weiss

Livro: A Divina Sabedoria dos Mest...

segunda-feira, 17 de maio de 2010

AMOR E DOAÇÃO

Amor,é a excência divina no homem,.É o espírito do próprio Deus manifestando  em  tudo o que vivemos.Pode-se encontrar amor em tudo,na vida,na natureza,nas pessoas,nos animais.
Amor não se explica Amor a gente  sente..
Amor é vida,é  sentimento .É ação em favor de outrem.
Doação  é o amor em ação,
Muitos confundem doação com esmolas. Lêdo engano.
A doação na sua real concepção, não se traduz em numerários, em cestas básicas, em um prato de comida.
Doar ultrapassa a fronteira do material para o espiritual.
Um gesto crinhoso,uma palavra amiga,um sorriso,uma visita,um olhar sincero, um estender de mãos,uma prece, um abraço fraterno,bons pensamentos, são doações muito mais valiosas  aos olhos do Pai.
A doação em  dinheiro, que espiritualmente falando, é  a de menor valor, precisa ser efetivada com muito cuidado e atenção, para aquele que lhe necessita, não receba, em vez de uma doação, a dor da humilhação.
Seja prudente ao fazer este tipo de ajuda.
Quando doarmos afeto, quando demonstrarmos que a pessoa é importante para nós,quando visitarmos uma enfermaria, um presídio , quando acudirmos um idoso ou uma criança, veremos  que estes pequeninos gestos de  amor ao próximo não lhes causarão nenhum constrangimento
muito ao contrário, veremos brilharem olhos e lábios  a sorrir.
Quando  doamos  algo a alguém, somos nós mesmos os  maiores beneficiados.
Este é a um dos grandes exemplos deixados pelo Cristo Jesus, quando Ele próprio  num gesto  de amor e doação, entregou  a sua vida em prol da humanidade.
Que Ele nos ajude a ter sabedoria para seguir-lhe os passos.
Que a paz e amor do Grande Mestre esteja sempre com todos nós.
Dilly.

GRANDEZA DE ALMA

A grandeza da alma é uma flor oculta e rara que só exala o seu admirável perfume quando agita os ventos das tormentas.
(L.Botteau)

RACIOCINIO





Não me envergonho de corrigir meus erros e mudar as minhas opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender sempre.
Que a paz do Mestre Jesus habite os nossos corações.
Dilly.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

O AMOR FALA MAIS ALTO




JAMAIS PERMITA OUVIR GRITOS EM SEUS OUVIDOS.
O AMOR É O ÚNICO QUE PODE FALAR MAIS ALTO.

AMOR




Sob as luzes do amor não há mal que não acabe.
Dilly.

GESTO GENEROSO



Todo gesto generoso,todo ofereciemnto de ajuda, ainda nas coisas mais simples,cultiva a simpatia e desperta reações de amizade e siceridade

CARIDADE E ESPERANÇA


Lembra-te da esperança para que a tua caridade não se faça incompleta.

Darás ao faminto, não somente a côdea de pão que lhe mitigue a fome, mas também o carinho da palavra fraterna, com que se lhe restaurem as energias.

Não apenas entregarás ao companheiro, abandonado à intempérie, a peça que te sobra ao vestiário opulento, mas agasalhá-lo-ás em teu sorriso espontâneo a fim de que se reerga e prossiga adiante, revigorado e tranqüilo.

Não olvides a paciência divina com que somos tolerados a cada hora.

Qual acontece ao campo da natureza, em que o Sol mil vezes injuriado pela treva, mil vezes responde com a bênção da luz, dentro de nossa vida, assinalamos a caridade infinita de Deus, refazendo-nos a oportunidade de servir e aprender, resgatar e sublimar todos os dias.

Não te faças palmatória dos próprios irmãos, aos quais deves a compreensão e a bondade de que recebes as mais elevadas quotas do Céu, na forma de auxílio e misericórdia, em todos os instantes da experiência.

Não profiras maldição nem espalhes o tóxico da crítica, no obscuro caminho em que jornadeiam amigos menos ditosos, ainda incapazes de libertarem a si mesmos das algemas da ignorância.

Recorda que Jesus nos chamou à senda terrestre para auxiliar e salvar, onde muitos já desertaram da confiança no eterno bem.

Seja onde for e com quem for, atende à esperança para que o mundo conquiste a vitória a que se destina.

Aliviar com azedume é alargar a ferida de quem padece e dar com reprimendas é envolver o socorro em repulsivo vinagre de desânimo ou desespero.

À maneira de raio solar que desce à furna cada manhã, restaurando o império da luz, sem reclamação e sem mágoa, sê igualmente para os que te rodeiam a permanente mensagem do amor que tudo compreende e tudo perdoa, amparando e auxiliando sem descansar, porque somente pela força do amor alcançaremos a luz imperecível da vida.

"Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Caridade. Ditado pelo Espírito Emmanuel. IDE. "
(Fonte: Portal Espírita)

NOSSSO LAR, SEMPRE UMA BOA LEITURA,


"Nosso Lar é um dos livros mais vendidos até hoje. Psicografado pelo médium brasileiro Chico Xavier, compõe a coleção intitulada A Vida no Mundo Espiritual.


Clássico da literatura espírita brasileira, Nosso lar é um romance que versa sobre os primeiros anos do médico André Luiz após sua morte, numa colônia espiritual, espécie de cidade onde se reúnem espíritos para aprender e trabalhar entre uma encarnação e outra.

Nosso Lar, obteve o primeiro lugar entre os dez melhores livros espíritas publicados no século XX, segundo pesquisa realizada em 1999 pela "Candeia Organização Espírita de Difusão e Cultura"
(fonte: Portal Espírita)

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O DESENCARNE DE CHICO XAVIER



Há 6 anos, no dia 30 de Junho de 2002, nosso querido Chico Xavier retornava ao Plano Espiritual. Relembrando esta data, trago para vocês uma breve descrição do que ocorreu ‘do outro lado da vida’ (paralelamente ao velório no plano físico): uma merecida recepção a esse maravilhoso médium, que tanto fez pela Doutrina Espírita e por todos nós... Que todos nós possamos aproveitar para refletir...
(...) No Mundo Espiritual, nosso irmão Lilito Chaves veio ao nosso encontro e anunciou o que, desde algum tem­po, aguardávamos com expectativa: a desencarnação do médium Francisco Cândido Xavier, o nosso estimado Chico. O acontecimento nos impunha rápidas mudan­ças de planos, impro­visamos uma excursão à Crosta para saudar aquele que, após cumprir com êxito a sua missão, retornava à Pátria de origem.
Assim, sem maiores delongas, Odilon, Paulino e eu, juntando-nos a uma plêiade de companheiros uberabenses desencarnados, rumamos para Uberaba no começo da noite daquele domingo, dia 30 de junho.
A caminho, impressionava-nos o número de grupos espirituais, procedentes de localidades diversas, do Brasil e do Exterior, que se movimentavam com a mesma finalidade.
Todos estávamos profundamente emocionados e, mais comovidos ficamos quando, esta­cionando nas vizinhanças do “Grupo Espírita da Pre­ce”, onde estava sendo realizado o velório, com o corpo exposto à visitação pública, observamos uma faixa de luz resplandecente, que, pairando sobre a humilde casa de trabalho do médium, a ligava às Esferas Superiores, às quais não tínhamos acesso.
Conversando conosco, Odilon observou:
— Embora, evidentemente, já desligado do corpo, nosso Chico, em espírito, ainda não se ausentou da at­mosfera terrestre; os Benfeitores Espirituais que, duran­te 75 anos, com ele serviram à
Causa do Evangelho, estarão, com certeza, à espera de ordens superiores para conduzi-lo a Região Mais Alta... De nossa parte, permaneçamos em oração, buscando reter conosco as lições deste raro
momento.
Aproximando-nos quanto possível, notamos a for­mação de duas filas imensas, constituídas de irmãos en­carnados e desencarnados, que reverenciavam o companheiro recém-liberto do jugo opressor da matéria: eram espíritos, no corpo e fora dele, extremamente gratos a tudo que
haviam recebido de suas mãos, a vida inteira dedicadas à Caridade, nas mais fiel vivência do “amai­-vos uns aos outros”. Mães e pais que, por ele haviam sido consolados em suas dores; filhos e filhas que pude­ram reatar o diálogo com os genitores saudosos, escre­vendo-lhes comoventes páginas do Outro Lado da Vida; famílias desvalidas com as quais repartira o pão; doen­tes que confortara agonizantes em seus leitos; religiosos de todas as crenças que, respeitosos, lhe agradeciam o esforço sobre-humano em prol da fé na imortalidade da alma...
Não registramos nas imediações, é bom que se diga, um só espírito que ousasse se aproximar com intenções infelizes. Os pensamentos de gratidão e as preces que lhe eram endereçadas, formavam um halo de luz protetor que tudo iluminava num raio de cinco quilômetros; po­rém essa luz amarelo-brilhante contrastava com a faixa de luz azulínea que se perdia entre as estrelas no firmamento.
A cena era grandiosa demais para ser descrita e desafiaria a inspiração do mais exímio gênio da pintura que tentasse retratá-la.
Uma música suave, cujos acor­des eu desconhecia, ecoava entre nós, sem que pudés­semos identificar de onde provinha, como se invisível coral de vozes infantis, volitando no espaço, tivesse sido treinado para aquela hora.
Espíritos mais simples que passavam rente comen­tavam:
— “Este é um dos últimos... Não sabemos quando a Terra será beneficiada novamente por um espírito de tal envergadura”; “Este, de fato, procurava viver o que pregava” “Quem nos valerá agora?”;
“Durante muitos anos, ele matou a fome da minha família... “Lembro-me de que, certa vez, desesperado, com a idéia de suicí­dio na cabeça, eu o procurei e a minha vida mudou”; “Os seus livros me inspiraram a ser o que fui, livrando-me de uma existência medíocre”; “Quando minha avó morreu, foi ele quem pagou seu enterro, pois, à época, éramos totalmente desprovidos de recursos”; “Fundei minha casa espírita sob a orientação de Chico Xavier, que recebeu para mim uma mensagem de incentivo e de apoio”; “Comigo, foi diferente: eu estava doente, de­senganado pela Medicina, ele me receitou um remédio de Homeopatia e fiquei bom”...
Os caravaneiros não cessavam de chegar, todos portando flâmulas e faixas com dizeres luminosos; creio sinceramente que, em nosso Plano, jamais houve uma recepção semelhante a um espírito que tivesse deixado o corpo, após finda a sua tarefa no mundo; com exceção do Cristo e de um ou outro luminar da Espiritualidade, ninguém houvera feito jus ao aparato espiritual que se organizara em torno do desenlace de Chico Xavier.
Com dificuldade, logrando adentrar o recinto do “Grupo Espírita da Prece”, reparamos que uma comis­são de nobres espíritos, dispostos em semicírculo, todos trajando vestes luminescentes, permanecia, quanto nós mesmos, em expectativa. Odilon sussurrou-me ao ouvi­do:
— Inácio, estas são as entidades que trabalharam com ele na chamada “Coleção de André Luiz”; são os Mentores das obras que o nosso André reportou para o mundo, no desdobramento do Pentateuco Kardeciano: Clarêncio, Aniceto, Calderaro, Áulus e tantos outros...
E aqueles que estão imediatamente atrás? — inda­guei.
— São alguns representantes da família do mé­dium e amigos fiéis de longa data.
— E onde estão Emmanuel, nosso Dr. Bezerra de Menezes e Eurípedes Barsanulfo? Porventura, ainda não chegaram?...
— Devem estar — respondeu — cuidando da organi­zação...
Ao lado do seu corpo inerte, nosso Chico, segundo a visão que tive, me parecia uma criança ressonando, tranqüila, no colo de um anjo transfigurado em mulher, fazendo-me recordar, de imediato, a imagem de “Pietà”, a famosa escultura de Michelangelo.
— Quem é ela? — perguntei.
— Trata-se de D. Cidália, a sua segunda mãe...
— E D. Maria João de Deus?...
— Ao que estou informado — esclareceu Odilon —, encontra-se reencarnada no seio da própria família.
— E seu pai, o Sr. João Cândido?
— Está em processo de reencarnação, seguindo os passos da primeira esposa.
Adiantando-se, nosso Lilito indagou:
— Odilon, na sua opinião, por que o Chico está parecendo uma criança?
— Ele necessita se refazer, pois o seu desgaste, como não ignoramos, foi muito grande, mormente nos últimos anos da vida física; nosso Chico carece de se desligar completamente...
— Perderá, no entanto, a consciência de si?
— É evidente que não. O seu verdadeiro despertar acontecerá gradativamente, à medida em que se recupe­re da luta sem tréguas que travou... Aliás, a Espiritualidade Superior, nos últimos três anos,
tinha trabalhando para que a sua transição ocorresse sem traumas, tanto para a imensa família espírita, que o venera, quanto para ele próprio.
Inúmeras caravanas e representações continuavam chegando, formando extensas filas, que se postavam paralelas às filas organizadas pelos nossos irmãos encar­nados, a comparecerem ao velório para render a Chico Xavier merecidas homenagens.
Dezenas e dezenas de jovens formavam grupos especiais que vinham recebê-lo no limiar da Nova Vida, gratos por ter sido ele o seu instrumento de consolo aos familiares na Terra, quando se viram
compelidos à desencarnação...
A tarefa de Chico Xavier — explicou Odilon, emocionado — não tem fronteiras; raras vezes, a Espiritualidade conseguiu tamanho êxito no campo do intercâmbio mediúnico... No entanto a força que o sus­tentava nas dificuldades vinha de Cima, pois, caso con­trário, teria sucumbido às pressões daqueles que, encar­nados e desencarnados, se opõem ao Evangelho. Chico, por assim dizer, ocultou-se espiritualmente em um cor­po franzino e deu início ao seu trabalho, sem que praticamente ninguém lhe desse crédito; quando as trevas o perceberam, já havia atravessado a faixa dos vinte de idade e em franco labor, tendo pronto o “Parnaso de Além-Túmulo”, a obra inicial de sua profícua e excelen­te atividade psicográfica...
Estávamos todos profundamente emocionados. A multidão, dos Dois Lados da Vida, não parava de cres­cer e, assim como no Plano Físico os policiais cuida­vam da organização, na Dimensão Espiritual em que nos situávamos, Entidades diversas haviam sido encar­regadas de disciplinar a intensa movimentação, sem que nenhum de nós se sentisse encorajado a reclamar qual­quer privilégio com o propósito de uma maior aproxi­mação. Quase todos nos conservávamos em atitude de profundo silêncio e de reverência.
Os grupos de espíritos que haviam, ao longo de seus 75 anos de labor, trabalhado com o médium, com exceção, evidentemente, daqueles que já haviam reencarnado, se faziam representar pelos seus maiores expoentes no campo da Poesia e da Literatura.
Próxi­mas a Cidália, em cujos braços Chico Xavier descansava, à espera de que o cortejo fúnebre partisse conduzin­do os seus restos mortais, notei a presença de algumas entidades femininas que eu não soube identificar.
— Quem são? — perguntei a Odilon, que era um dos poucos dentre nós com plena liberdade de movi­mentar-se.
— Aquelas quatro primeiras, são as nossas irmãs Meimei, Maria Dolores, Scheilla e Auta de Souza; as demais são corações maternos agradecidos que, em uma ou outra oportunidade, se expressaram pela mediunidade psicográfica do nosso Chico.
— Quem estará na coordenação do evento? — in­sisti, ansioso por maiores esclarecimentos.
— O Dr. Bezerra de Menezes e Emmanuel, asses­sorados diretamente por José Xavier — respondeu.
-José Xavier?...
— Sim, o irmão do médium, que está conduzindo um grupo de espíritos amigos de Pedro Leopoldo e re­gião; quando Chico se transferiu para a cidade de Uberaba, em 1959, os seus vínculos afetivos com a sua terra natal não se desfizeram; os espíritas que constituí­ram o Centro Espírita “Luiz Gonzaga” sempre se senti­ram membros de uma única família.
— E aquele casal mais próximo que, de quando a quando, dialoga com Cidália?
— José Hermínio e D. Carmem Perácio; foram eles que iniciaram Chíco Xavier no conhecimento da Doutrina Espírita, doando-lhe exemplares de “O Livro dos Espíritos” e de “O Evangelho Segundo o Espiritis­mo”...
Pude perceber, com clareza, que os filamentos perispirituais que uniam o espírito recém-desencarnado ao corpo enrijecido, se enfraqueciam gradualmente; sem dúvida, o médium, assim que se lhe cerraram os olhos físicos, desprendeu-se da forma material, no entanto, devido à necessidade de permanecer durante 48 horas exposto à visitação pública, conforme era seu desejo, exigia que o corpo, de certa forma, continuasse a rece­ber suplementos de princípio vital, evitando-se os cons­trangimentos da cadaverização. Embora aconchegado aos braços daquela que havia sido na Terra a sua segun­da mãe e grande benfeitora, o espírito Chico guardava relativa consciência de tudo...
As expectativas de quase todos, porém, se concen­travam sobre aquela faixa de luz azulínea, a qual, à medida que se abeirava a hora do sepultamento, se in­tensificava; tínhamos a impressão de que aquele cami­nho iluminado era a passagem para uma Dimensão Des­conhecida, para a qual, com certeza, Chico Xavier ha­veria de ser conduzido.
Dentro de poucos instantes, o silêncio se fez natu­ralmente maior e um venerável senhor, ladeado por Ir­mão José e Herculano Pires, este um dos vultos mais importantes da Doutrina nos últimos tempos, assomou discreta tribuna e começou a falar.
— Quem é? Perguntei, à meia-voz...
— Léon Denis — respondeu-me Odilon com um sussurro.
— “Meus irmãos — disse o inesquecível discípulo de Allan Kardec — eis que aqui nos encontramos reuni­dos, para receber de volta ao nosso convívio, aquele que, uma vez mais, cumpriu exemplarmente a missão que lhe foi confiada pelo Senhor de nossas vidas. Eleve­mos ao Infinito os nossos pensamentos de gratidão e de reconhecimento, porquanto sabemos das dificuldades que o espírito que moureja na carne enfrenta para des­bravar caminhos à Verdade; o nosso amigo e mestre que, após longa e desgastante peleja, agora retorna à Pátria Espiritual, se constituiu num verdadeiro exemplo, não somente para os nossos irmãos encarnados, mas igualmente para os que necessitamos renascer no orbe e, por vezes, nos sentimos desencorajados... (...) Um ciclo se encerra, mas outro deve come­çar (...)”
Passados alguns instantes da alocução proferida por Léon Denis, perfumada aragem começou a soprar, balsamizando o ambiente. De onde será que provinha aquele suave perfume que, aos poucos, se intensificava, impregnando-nos o corpo espiritual? Tínhamos a im­pressão de que, caindo de Esferas Resplandecentes, aque­le orvalho celeste, constituído de diminutos flocos lumi­nosos, antecedia o momento em que o espírito Chico Xavier seria conduzido à ignota região da Vida Sem Fim.
Quando o fenômeno a que tento me referir se fez mais evidente, algumas explosões começaram a ocorrer na extensa faixa de luz azulínea que, agora, ia mudando de tonalidade, como se um arco-íris se estivesse materi­alizando diante dos nossos olhos.
Gradativamente, cin­co entidades foram se fazendo visíveis para nós, tangibilizando-se no pequeno espaço que me parecia reproduzir produzir a abençoada estrebaria em Belém...
Os cinco espíritos, que não posso lhes dizer que tenham assumi­do forma propriamente humana, foram sendo identifi­cados por nós: eram Bezerra de Menezes, Emmanuel, Eurípedes Barsanulfo, Veneranda e Celina, a excelsa mensageira de Maria de Nazaré.
Diante da estupenda visão, todos sentimos ímpe­tos de nos ajoelharmos; muitos, efetivamente, se ajoe­lharam, com os olhos banhados de lágrimas.
Bezerra de Menezes, Emmanuel e Eurípedes Barsanulfo estavam, por assim dizer, mais humanizados, no entanto Veneranda e, especialmente, Celina, nos pareciam dois anjos alados, falenas divinas que se tivessem metamorfoseado apenas para que pudéssemos vê-las... Eu tinha a impressão de estar participando de um sonho que transcendesse a mais fértil imaginação.
Adiantando-se aos demais companheiros, Veneranda, que o tempo todo pairava no ar, começou a orar com sentimento que a palavra não consegue tradu­zir:
— “Senhor da Vida — exorou, sensibilizando-nos pro­fundamente — aqui estamos para receber, de volta ao nosso convívio, um dos Vossos servidores mais fiéis que, após quase um século de lutas acerbas pela causa do Vosso Evangelho na Terra, regressa ao Grande Lar, com a consciência do dever cumprido.
Que as Vossas bên­çãos envolvam o espírito naturalmente exaurido, resti­tuindo-lhe as energias que se consumiram de todo por amor do Vosso Nome entre os homens, nossos irmãos! Que do seu extraordinário esforço não se perca, Mestre, uma única gota de suor, das que se misturaram às lágri­mas anônimas vertidas por ele no testemunho da Fé.
Que o trabalho de sua profícua existência no corpo físi­co continue a ser prodigiosa sementeira para as gera­ções do porvir, apontando o Caminho para quantos an­seiam por seguir os Vossos passos...
Senhor, os que tão-somente agora, depois de séculos e século de sombras, nos convencemos da Vossa magnanimidade, vos agra­decemos por não terdes consentido que o nosso irmão sucumbisse diante das provas e, em nada, se afastasse da trajetória que lhe traçaste no mundo — sabemos que, nos momentos mais difíceis, sem que nós mesmos pu­déssemos perceber, a Vossa mão o sustentava para que não tombasse sob o peso da cruz que lhe pusestes aos ombros... Nós vos louvamos por terdes realizado nele a obra consagrada do Vosso amor, que, um dia, redimirá a Humanidade inteira.
E que, agora, ainda unidos ao espí­rito companheiro que soube transformar-se em exemplo de renúncia e de sacrifício, de desprendimento e de ab­negação, possamos dar seqüência à tarefa que iniciastes há dois mil anos, da edificação do Reino de Deus sobre a face da Terra!...
Que a claridade sublime das Altas Esferas não nos faça ignorar os vales de sombras dos quais procedemos e nos quais acendestes, para sempre, a Vossa Luz... Que não nos seja lícito o descanso, en­quanto o orbe planetário, onde tantas vezes expiamos as nossas faltas, se transfigure em estrela de real grandeza, a fulgir na glória dos mundos redimidos.
Abençoai, Se­nhor, os nossos propósitos que são os Vossos e que, hoje e sempre, possamos exaltar-Vos o Nome através de nossas vidas!...”
Terminando de orar, Veneranda e Celina se aproxi­maram de Cidália, que continuava a aconchegar em seu materno coração o espírito que foi nosso Chico, o qual, de quando a quando, estampava cândido sorriso, como se fosse uma criança participando de um sonho bom do qual jamais ousasse acordar.
O silêncio reinante era de tal ordem, que, aos nos­sos ouvidos, a voz inarticulada da Natureza nos parecia uma sinfonia; de minha parte, confesso-lhes que eu nunca tinha ouvido a música dos astros e nem podia imaginar que o próprio silêncio tivesse voz.
A faixa de luz azulínea que se transformara num arco-íris ainda se mostrava mais viva, e todos permane­cíamos na expectativa do que não sabíamos pudesse acontecer.
Direcionando os sentidos, quis ver, naquela hora, como os preparativos para o féretro estavam desenvol­vendo-se no Plano Físico e, justamente, quando começou a ser entoada a canção “Nossa Senhora” e os nos­sos irmãos começaram a movimentar-se, dando início ao cortejo, uma Luz indescritível, descendo por aquele leque iluminado que ligava a Terra ao Infinito — a faixa de luz que ali se instalara logo após ter sido armado o velório no “Grupo Espírita da Prece” —, uma Luz que, para mim, era muito superior à luz do próprio Sol e que me acionava a memória para a lembrança da visão que Paulo teve do Cristo, às portas de Damasco, repetiu com indefinível ternura:
— “Vinde a mim, todos os que andais em sofri­mento e vos achais carregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou man­so e humilde de coração, e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.
Aquela Extraordinária Visão, que sequer povoava os meus sonhos mais remotos de espírito devedor, es­tendeu dois braços humanos reluzentes e, quando notei que o Chico em espírito se transferia dos braços de Cidália para aqueles Braços que o atraíam, digo-lhes que, desde quando fui beneficiado com o laurel da ra­zão, não tenho recordação de jamais ter chorado tan­to...
Aquela Luz, que se humanizava parcialmente para que pudéssemos vê-la, estreitou Chico Xavier ao peito e depositou-lhe um ósculo santo na fronte e, em seguida, partiu, levando-o consigo, despedindo-se com inesquecível sorriso dos que continuavam presos ao abismo, sentenciados pelo tribunal da consciência culpada.
Foi Odilon que, depois de muito tempo, conseguiu falar, comentando conosco:
— Eu sempre que lia as páginas do Velho Testamento, ficava intrigado e colocava em questão a narrati­va de que o profeta Elias fora conduzido ao céu por “um carro de fogo”... Agora sei que não se tratava de força de expressão ou algo semelhante.
Um grande vazio se fez após e, gradativamente, a faixa de luz foi se recolhendo de baixo para cima, à medida em que o cortejo celestial se retirava.
A praça em que nos havíamos reunido já se encon­trava praticamente vazia; diversos grupos, procedentes de várias regiões da Espiritualidade, haviam partido e, agora, os curiosos e desocupados de além-túmulo se aproximavam, como que para vasculhar os espólios do concorrido velório...
Contrastando com a luz do corpo espiritual de eminentes entidades, esses outros nossos irmãos se mostravam opacos em seu novo veículo de expressão, dando-me a impressão de que, embora desencarnados, ainda não tinham logrado completa emancipação; muitos caminhavam sem qualquer desenvoltu­ra, qual se fossem doentes com dificuldade para mudar o passo...
Identificando-nos na condição de adeptos do Espi­ritismo e amigos de Chico Xavier, começamos a ser abordados por aquelas entidades infelizes que, aos meus olhos, se assemelhavam a sobreviventes onde houvesse sido travada intensa batalha. A grande maioria exibia as vestes em farrapos e, além da obscuridade espiritual à qual já me referi, deixavam exalar de si quase insuportá­vel odor...
— Por favor, auxiliem-nos! — disse-nos um deles, adiantando-se aos demais —Estamos convencidos de que, realmente, o mal não compensa... O que vimos acontecer hoje, aqui...
Olhando-me, significativamente, Odilon comentou:
— Quantas bênçãos a vida e a suposta morte de um verdadeiro homem de bem pode espalhar! Quantos não estarão sendo motivados à renovação íntima, ante o episódio da desencarnação do nosso Chico! ... Ele que, no corpo, descerrou caminhos para tanta gente, ao dei­xar a vestimenta física, prossegue orientando com os seus exemplos os que se desnortearam além da morte.
Faz-me recordar o que disse Jesus, no capítulo 12, versículo 24, das anotações de João: “Se o grão de tri­go, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto”...

(Esta descrição foi realizada pelo Espírito Inácio Ferreira, e está presente no livro “Na Próxima Dimensão”, psicografado pelo médium Carlos Alberto Baccelli.)

PAI NOSSO ORQUESTRADO

SOU TEU ANJO

UM DIA A GENTE APRENDE.

♥i ♥♥